sexta-feira, 17 de julho de 2015

Obras para quê te quero?!

Quando pensamos na idéia de fazermos obras em casa tudo parece fantástico. Passamos os dias a imaginar os materiais e as cores a utilizar. Mas depois de colocadas algumas idéias em prática. Não vemos a hora que tudo termine. Porque a imaginação. De fantástica transformou-se em pó.

Em todas as casas em que vivi fiz obras. Posso dizer que tenho bastante experiência comparativamente a muitas mulheres sem jeito nenhum nem para trabalhos manuais. Mas confesso. Neste momento. Invejo todas elas. As que nunca ousaram decorar ou transformar nada em casa. Seja por falta de jeito. Seja porque a condição financeira lhes permitiu pagar alguém que o fizesse.

Um conselho que vos dou. Nunca façam transformações em casa em processo de encadeamento.

Cá em casa só precisávamos de um colchão novo. E isto apenas porque o nosso já muito velhinho e contorcido fazia-nos doer as costas. Quando pensei em comprarmos um novo olhei para a cama. E considerei que uma vez que rangia por todos os lados o melhor era comprar um sommier. Bem. Quando fomos à loja o meu marido perguntou-me se não era melhor comprarmos já o jogo de quarto completo. Porque fazermos um crédito apenas para a cama e o colchão nos faria postergar a idéia de trocarmos os móveis do quarto. Por acaso vimos na mesma loja um quarto lindo de morrer. Daqueles que não deixam dúvidas. Se pudesse levava-o. E como o crédito até era sem juros. Decidimos levar. Encomendamos tudo. Dali a vinte dias chegavam os móveis.

Quando chegamos a casa olhei para o chão do quarto. Completamente desgastado. Em parquet. E pensei. Se metemos aqui móveis novos nunca mais trocamos este chão. E no dia seguinte perguntei ao meu marido. Amor. E se trocássemos o chão dos quartos antes de trocarmos os móveis? Conversa vai e conversa vem. O marido foi pesquisar à net como se coloca o soalho. E colocou. Na casa toda. E depois decidimos que soalho flutuante com os lambrins de azulejo no corredor para além de frio não combinavam. E ao invés de retirarmos como sugeri. O marido resolveu colocar gesso cartonado a cobrir todas as paredes. E a visão do inferno começou aí. Massa de gesso aqui. Massa de gesso ali. Deixa secar. Lixa. Cobre falhas. Deixa secar. Lixa. E ainda cá estou nessa árdua tarefa. De acabamentos sem fim. A que o meu marido não leva jeito nenhum. Porque os detalhes para a maior parte dos homens passam despercebido.

Tínhamos comprado as tintas para pintar o corredor. Mas amanhã vou a correr escolher um papel de parede que cubra todas as imperfeições. Porque já não aguento mais.

Ficam aqui duas imagens do que vou transformar…





















O guarda roupa do corredor e os contadores do hall de entrada. Para além de levarem com tinta vão levar com algum papel de parede nas portas e no interior.