segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Mercado de trabalho desarmónico

Procurar trabalho aos vinte anos é tão complicado como aos trinta. Ainda mais difícil é conseguirmos obter uma experiência profissional que nos satisfaça. E isso em qualquer idade. O que mais vejo são perfis desconexos com a sua vida laboral. Pessoas insatisfeitas com o que fazem e que transbordam isso. Seja em incompetência. Seja numa antipatia gratuita a quem só pretende a prestação do serviço que buscou.
Complexo, quando o mercado de trabalho exige experiência a quem tem pouca idade, e exige o mesmo a quem apesar de ter idade suficiente, foi obrigado a seguir um percurso profissional devido às suas necessidades financeiras e à vida que não lhe permitiu outras escolhas.

Experientes em recursos humanos consideram que o adequado é manter as pessoas em seus percursos profissionais. Muito embora, a médio prazo fatidicamente venham a tornar-se maus colaboradores. O importante é a experiência. Pelo menos é a isso que se focam em processos de recrutamento. Ao invés de se focarem no que realmente move as pessoas. Tão difícil será compreender que uma pessoa só pode ter uma carreira de sucesso se tiver paixão pelo que faz? Tão difícil será perceberem que uma empresa só terá sucesso se os seus colaboradores tiverem paixão pelo que fazem?

Não quero dizer com isto que as pessoas não precisam de possuir qualificações. E tão pouco que isso não seja importante. Mas acredito que seja possível fazer um melhor enquadramento do perfil profissional de cada um, com foco naquilo que as move verdadeiramente.

Outra questão relevante são os ordenados. Por maior que seja a paixão pelo que se faz. Ninguém pode sentir-se verdadeiramente satisfeito a trabalhar para receber um ordenado mínimo. Ninguém terá interesse no sucesso da empresa para a qual trabalha, principalmente se estivermos a falar de uma grande empresa.

Temos assim um mercado de trabalho desarmônico, utópico, que procura jovens de vinte anos, imaturos o suficiente para serem explorados, mas com a experiência necessária para não serem ensinados. E que começa a descartar profissionais com trinta anos de idade, como se a experiência adquirida e tão exigida há dez anos já não fosse relevante.

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Hoje deu-me para arte!





A Idília Silva é uma daquelas Pessoas raras, que em tudo o que toca transforma. Sejam telas, sejam tecidos, sejam aquelas peças que ninguém quer para nada. A Idília quer. Porque a Idília constrói.

Nasceu em Moçambique, mas a sua alma desde miúda é inteiramente lusitana. Os seus cabelos cor de fogo refletem bem a sua energia, a sua vivacidade. Toda ela inspira e expira arte. Toda ela é cor. E impõe cor a tudo o que observa.

Deixo-vos hoje fotos de algumas telas. Só é pena, que não vos consiga transmitir a força destas pinturas com as minhas fotos. A força e a energia, só pessoalmente...
Algumas destas telas ainda estão disponíveis para venda. Mas a artista também pinta por encomenda.
Se quiserem conhecer um pouco mais sobre esta artista podem acessar: http://idiliasilva.blogspot.pt/





Origem

A mudança 

A viagem 

 A família

Paisagem Alentejana III

                                                            Paisagem Alentejana II

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

#011 Casa-te comigo



Casa-te comigo. Hoje. Mas tem de ser hoje. Antes que fujas. Antes que eu fuja. Que temos os dois medo. Desta paixão louca que ainda não se foi embora. Gosto de amar. E gosto que seja eterno. Apenas enquanto dure. Mas não sei a validade do nosso amor. Não sei quando expira. 
Pensei que a paixão expirasse uma semana depois de nos conhecermos. Mas passados três meses já não sabíamos viver sem dormir na mesma cama. Já não conseguíamos esperar pelo tempo do outro. 
Agora vivemos juntos há mais de um ano. E passadas três horas longe de ti o meu corpo pede a extensão do teu. Casas-te comigo? Antes que expire?

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

#010 Descobre-me


Deixa-me. Deixa-me estar. Sossegada. Às vezes apetece-me. 
Não. Não há nada de errado. Às vezes apetece-me o silêncio. Só o silêncio. Preciso dele. 
É assim que me refaço. Que me renovo. 
Não me apetece falar. Não há nada para ser dito. Às vezes guardo algumas coisas. Só para mim. 
Não. Não são segredos. São essência. Não me revelo. 
Descobre-me. Se puderes. Se conseguires.   

terça-feira, 25 de agosto de 2015

O poder das palavras


As palavras têm uma força tremenda. 

Parece cliché. É. Mas não é. 


Tudo ao nosso redor emana uma frequência energética. Tudo o que dizemos e pensamos possui uma frequência. E por esse motivo é essencial que valorizemos o que é bom e reciclemos o que é mau. Seja o que nos dizem, seja o que pensamos. 

Não estamos livres de ouvir coisas que não gostamos. É preciso refletir se apesar de mau, o que nos disseram tem alguma relevância, se é um alerta para alguma postura menos boa da nossa parte. Se for apenas uma ofensa gratuita não devemos valorizar. Devemos reciclar a informação que ouvimos. Se a frequência do que nos foi dito não é boa não devemos alimentar reflexões. Elas serão certamente destrutivas.

É simples e complexo em simultâneo. É simples porque está ao alcance de qualquer um de nós ter esse discernimento. E complexo porque nascemos e crescemos sem trabalharmos em nós essa capacidade. De reciclar o que pensamos. De focar no que é realmente positivo e relevante. Despender energia apenas com o que realmente é importante.



Não aprendemos a ser seguros do que somos


Crescemos a valorizar que nos apontem os nossos defeitos, que firam o nosso orgulho ou que nos rebaixem. Não aprendemos a ser seguros do que somos. Não aprendemos sequer a saber quem somos. E muitas vezes, desenvolvemos depressões, apenas porque não conseguimos manter o distanciamento necessário de determinadas pessoas e situações.  Cultivamos pensamentos e por sua vez emoções que apenas consomem a nossa energia.

Existe um estudo efetuado com moléculas de água, pelo japonês Masaru Emoto, que comprovam através da física quântica, o poder das palavras, o poder do que pensamos e proferimos. Abaixo um pequeno vídeo.








segunda-feira, 24 de agosto de 2015

#009 Não


Não. Não quero ter aquela curvatura. Os ombros descaídos. Aquele sentido de perda. De forças. De vida. De tudo. Não quero. Não quero as pernas cansadas. A respiração ofegante ao subir uns degraus. Não quero aquele corpo flácido. Aquela pele enrugada. Aquela memória perdida. E aquela puerilidade que retorna. 

Não quero os fios de cabelo brancos. E nem um sorriso obscuro. Não quero a sensação do vazio. De nada cá estar a fazer. De perda de vitalidade. Ou perda do sabor da vida.

Quero manter a energia. A força. A consciência. Quero um corpo que se adapte. Se transforme. Mas não perca as suas capacidades. Ser flexível à vida.

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Comprinha de sexta-feira :-)


E como a trintona aqui ficou para tia. E feliz ;-)
Estava na hora de pensar em qualquer coisa para o batizado 
da minha sobrinha mais nova.
Talvez esta seja uma boa opção. 
Ou então só uma boa desculpa para trazer para casa ;-)

Blusa floral


Blusa floral

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

#008 Detesto-te


Acordo à noite com vontade de agarrar-me a ti.

Observo-te. Tenho vontade de tocar-te. 

Porra. Como te amo.

Mas hoje passaste-te completamente.

Não quero tocar-te. Não quero sentir vontade disso.

Detesto-te. Detesto que o cheiro do teu corpo chame por mim.

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

#007 O erro


O erro não tem perspetiva. 

Um erro é sempre um erro. De lado. De frente. De costas. 

Não existe o olhar sobre outros ângulos. 

Qualquer que seja o panorama o erro é sempre um erro.

A única hipótese do erro é corrigi-lo. Assumi-lo. Falhamos todos. 

Somos todos humanos. E somos todos desumanos. 

Quando tem de ser. E quando não tem de ser também.

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Maquiagem do chinês - Comprar ou não comprar?


Adoro lojas do chinês. Quem me conhece sabe. Se passo por uma tenho de entrar. No que confere a maquilhagem confesso sempre tive algum receio. Mas desta vez decidi experimentar. E realmente não fiquei nada desiludida. 

A máscara para as pestanas tem aroma a maçã verde. Adoro. Detesto aquela fragrância a químicos que estas máscaras costumam ter. Nunca vi nenhuma das grandes marcas com este detalhe. Quanto à qualidade e durabilidade, impecáveis. Alongam bem as pestanas e não saem a não ser com um demaquilante. Custou só 1,50€.

O lápis para os olhos é que surpreendeu-me. Já usei de várias marcas conhecidas e mesmo assim sempre tive o mesmo problema, mesmo com os ditos à prova de água. Tenho de ter sempre cuidado porque constantemente escorrem e quando dou por mim estou com os olhos todos borrados.
Este diz à prova de água. Mas pensei humm os de marca também dizem e não fazem o que prometem. Mas estava enganada. É claro que com o tempo a intensidade do negro vai diminuindo. Mas a diferença é que estes não escorrem nos olhos. Só 0,90€.

O pincel para maquilhagem já andava à procura mas sempre demasiado caros para um simples pincel, estes são ótimos e custou menos de 1€.

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

#006 Faz-te um homem


Faz-te um homem. 

Lança-te à vida. Sem medos. Sem pudores.

Comete loucuras. Sê feliz. E deixa-te. Deixa-te de frescuras.

Mostra o que vales.

E deixa. Deixa o que tiveres de deixar pelo caminho.

Não olhes para trás.

Há sempre tempo para um recomeço.

Não venhas com traumas.

Não arranjes desculpas.

Dá a volta por cima.

Faz-te um homem. Mesmo que sejas mulher. 


sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Existe felicidade plena?





Nunca acreditei que felicidade constante existisse. Acreditava que a felicidade estaria presente apenas em alguns momentos da minha vida. E que eu teria de aprender a lidar com isso. Desaprendi. Aprendi que é possível não tornar as circunstâncias mais penosas do que elas fatidicamente já são. E que isso torna-nos mais leves. Aprendi que tudo na vida é momentâneo. Hoje choramos por algo que nos aconteceu. No dia seguinte tudo pode mudar. Nada é estático. Nada é permanente.




Chorar um pouco faz-nos libertar alguma tensão. Mas chorar em demasia é pura perda de tempo. Alimentar uma deceção, cozinhar na nossa cabeça os assuntos, fazem-nos apenas focar no que deve ser reciclado. Os nossos pensamentos. 

Aprendi que temos de controlar constantemente o que pensamos. Temos de estar atentos. Aos pensamentos. Às emoções. Todos os dias. É assim que mantemos o nosso equilíbrio. Psíquico e energético. E é assim que um dia nos damos conta de que é possível sentirmo-nos felizes. Mesmo quando o céu parece desabar.

Porque uma coisa sou eu. E outra coisa são os meus problemas. Quando eu consigo ter esse discernimento consigo ter a capacidade de criar esse distanciamento. E com tempo e treino o esforço que fizemos para aprender a controlar os nossos pensamentos torna-se automático e natural. Parece-nos inato.

Pode parecer complicado mas existem algumas formas para podermos alcançar esse nível. Quando eu comecei a controlar os meus pensamentos criava post-its com frases ou simplesmente palavras: “equilíbrio”, “as atitudes são para quem as pratica”, “só quero qualidade à minha volta”. São estas para mim as principais. Mas farei outra postagem para explicar o sentido, os contextos e os benefícios. As palavras têm um poder insuperável. Existe inclusive um estudo efetuado com moléculas de água a comprovar o poder das palavras no nosso campo magnético.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

#005 Existo.

Existo contigo e sem ti

Não posso deixar que me anules. 

Que te esqueças que eu existo. Contigo. E sem ti.

Porque vou existir sempre sem ti.

E o bom disso é que o meu amor por ti é autêntico.

Não faço de ti muleta.

Não preciso do teu ombro para chorar.

Se estiveres comigo quando eu precisar, ótimo.

Se não estiveres não vou culpar-te.

Porque existo. Tenho forças contigo. E tenho forças sem ti. 

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

#004 Não posso suportar


Não posso suportar a inconsequência de evitar o que me faz feliz. 

Não posso suportar a inconsequência de manter o que me comprime. Restringe. Limita.

Não posso suportar que a idéia da vida seja tão redutora.

Que tudo se resuma a reduzir simplesmente a vida.

Em penosos percursos que somos obrigados a seguir.

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Alimentação Paleolítica - Benefícios


frutos vermelhos, ananás, frutos secos


       Fazem hoje duas semanas que não ingiro farináceos nem lácteos.Isso tudo porque após ter assistido a uma palestra sobre alimentação Paleo, descobri que os farináceos contribuem para dores ósseas e dores nas articulações, bem como pioram as alergias respiratórias e as dores de cabeça.

No meu caso sofro com sinusite e dores na zona lombar. Por acaso ou não, esta semana a temperatura subiu bastante, o que faz com que a minha alergia se intensifique, no entanto sinto algo bastante subtil comparado ao que costumo sentir, a nível da minha sinusite. No caso dos lácteos, uma vez que potenciam a produção de progesterona, potenciam a produção de gordura. Sim faz sentido, as mulheres quando engravidam precisam produzir leite. Enfim, temos uma bomba a produzir gordura dentro de nós. Temos de ter uma atividade física muito mais intensa para conseguirmos manter uma boa forma física comparativamente aos homens, e isto deve-se ao simples facto de termos nascido mulheres.

Eu emagreço com muita facilidade e engordo com muita facilidade, tenho um metabolismo que não me ajuda nada. Esta semana só consegui correr um dia e fiz 2 treinos de musculação, por norma não seria suficiente para não acumular gordura. Mas sinto alguma diferença a nível abdominal, tanto de não acumulação de gordura como por não me sentir inchada.

Não é assim tão complicado alterar a alimentação. No meu caso já não ingeria massa, só arroz. Passei a substituir o arroz por legumes - curgete, beringela, couve, etc. Mais frutas e frutos secos nos lanches a meio da manhã e da tarde. Iogurtes de soja, gelatina sem açúcar. Ao pequeno-almoço substituí o pão por 2 tortilhas de arroz, só porque como ovos mexidos e sinto falta de mais qualquer coisa.

A dieta Paleo consiste em eliminar os alimentos processados, e retirar farináceos e lácteos. Mas claro, é preciso ter atenção às necessidades diárias de cada um, ao nível de intensidade e frequência de treinos, e aos objetivos pretendidos - ganho de massa magra, perda de massa gorda, ganho de força…
Para cada caso existe um tipo de alimentação mais indicado.

No meu caso, sou intolerante às carnes vermelhas. Fico com problemas de estômago e com borbulhas na pele. Então sempre tive o hábito e o cuidado de buscar a proteína em outros alimentos e em suplementação. É de extrema importância entender que para eliminar determinados alimentos é necessário buscar os nutrientes a outros.

Para quem procura um nutricionista, eu aconselho vivamente o Alexandre Azevedo, da Nutriscience. Fiquei deveras impressionada pelo currículo deste jovem senhor, licenciado em Ciências da Nutrição e Engenharia Alimentar e Pós-graduado em bioquímica. Fantástica a postura, fantástico o know-how. O meu marido após assistir à palestra consultou-se com ele e ficou bastante satisfeito.

Para quem tiver interesse e curiosidade fica aqui a página: http://www.nutriscience.pt/

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

#003 Tenho vontade

Tenho vontade, do teu cheiro, do teu gosto

Preciso estar longe para sentir saudades.

Gosto. De sentir saudades.

Não ver-te por três horas e sentir uma vontade louca de estar contigo.

Ter vontade do teu cheiro. Do teu gosto.

É como se nos tivéssemos conhecido há meia dúzia de dias.

É essa a sensação que quero para a vida toda.

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Hoje deu-me para isto!

E porque hoje é sexta-feira, deu-me para isto! Comprinhas nos saldos ;-)

Camisola da Lefties, calções do Ebay


Camisola e calções da Lefties 

bijuterias
Mala e bijouterias da Parfois

Miradouro da Graça


Estava à procura de uma morada. De repente passo por aqui. Hummm é aqui o miradouro da Graça, recém inaugurado. Fui obrigada a parar e tirar uma foto. Mas claro, uma foto tirada com o telemóvel não se compara a uma foto tirada de uma máquina à sério. E nem uma foto tirada de uma máquina à sério pode ser comparada à energia que só presencialmente podemos captar. A vista é qualquer coisa. Quero lá voltar à noite. Depois posto aqui ;-)

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

Espreitem # Experimentem

Cada vez mais habituados ao universo digital, as fotos passam a ser esquecidas em pastas do nosso computador pessoal. 

Muitas vezes, quando perdemos informação e documentos no computador é que lembramos, tivéssemos em formato de papel, as memórias mantinham-se guardadas.

A pensar nisso e naqueles momentos em que não sabemos o que oferecer como prenda a alguém, partilho convosco algumas idéias da Snapbook.

Sejam fotos editadas em livro encadernado ou expiral, capa dura ou flexível, ou apenas fotos com pequenas frases.



"Picar" os amigos com o envio de algumas fotos das férias parece-me uma boa pedida :-) 


Como prenda acho algo super original. Giro para oferecer até mesmo às crianças, miúdas principalmente. 
Ao invés dos antigos albúns, estes livros encadernados têm muito mais style.

Como book para apresentação nas agências também provoca muito mais impacto.

E para oferecer no dia das mães com fotos dos netos, da família, ou oferecer às amigas ou aos namorados/as ;-)

A impressão das fotos tem uma qualidade extraordinária. Muito acima das minhas expectativas, devo dizer-vos.

Partilho convosco os sites:
http://www.instabook.pt/
http://www.snapbook.pt/

Espreitem! Experimentem!

#002 Amo-te

Te amo

Amo-te. Mas com liberdade.

Com a liberdade de poder amar-te quando me apetece. E de não envolver-me quando não quero.

Vou amar-te sempre. Só preciso que me deixes livre.

Se me deixares livre vou ter sempre vontade de voltar.

Se me aprisionares vou ter sempre vontade de fugir.

terça-feira, 4 de agosto de 2015

#001 Extrais-me


Tenho a sensação de que me perco em ti. Porque aglutino-me.

Somos tão parecidos. Sou a tua versão feminina mais completa.

Fizeste download da tua versão. E não há erros. Nem vírus.

Zipaste-me tamanha profundidade. 

E de cada vez que te revelas. Extrais-me. Extrais o melhor de mim.

sábado, 1 de agosto de 2015

Hoje deu-me para isto

grafiti
Deixo-vos aqui um bocadinho de alma lusitana.
Abstraída de um coração luso-brasileiro, pelas calçadas de Lisboa.

Janela de Lisboa
É bom voltar a sentir-me turista em Portugal. Há muito que não me sentia. Senti-me turista no Brasil há 5 anos. Perdi muitas coisas. O sotaque. A forma de vestir. Os hábitos. Alguma vida. Perdi o hábito de sentir-me brasileirinha. Ganhei muitas coisas. Um novo sotaque. Uma nova forma de vestir. E de vestir a vida. Uma nova vida. Outras cores. Outras fragrâncias. Uma nova portuguesinha. Sinto-me desta terra. Já estranho as minhas entranhas. Mas tenho o coração protegido. Sei a que vim.

Gosto do pop e do tradicional
Do feio e do velho. Do torto.
Do inusitadamente tosco. 
Nada do que é moderno chique me revela alma.
Me devolve alma. 
Me transborda alma.

azulejo azul






Fado vadio
Bairro da Mouraria, berço dos grandes fadistas



janela de madeira
A pressa. A urgência. 
Retiram-nos os sentidos. A capacidade de ver.
Obrigar-nos a olhar sob outra perspectiva,
permite-nos elevar o vulgar a precioso.

enfeites de são joão